Emília Morais, o rostro por detrás do Angola Fashion Week | Entrevista

O Angola Fashion Week  ganhou  nos  últimos  dois  anos  um  destaque  importante  nos  grandes eventos  de  moda  do  Continente  Africano  sob  a direcção  de  Emília Morais.
A Rossio Mag  falou  com  a  directora  do  evento  a  propósito  das  motivações  e  dos  novos  caminhos  que  o  AFW  pretende  tomar  para  se  tornar  no  Melhor Fashion Week do Contiente Africano.

ENTREVISTA

MF: O actual Angola Fashion Week tem tido uma receptividade na opinião pública angolana crescente a par de uma maior visibilidade nos meios de comunicação social, o que tem contribuido para o desenvolvimento da imagem deste evento, congregando vários agentes nacionais e estrangeiros. Como tem sido organizar um evento como este, com tendência a ser cada vez mais participativo e exigente?

E.M.: Quando em 2012 decidi comprar todos os direitos comerciais do Angola Fashion Week tinha em mente valorizar a indústria da moda em Angola dando-lhe uma dimensão internacional. As duas últimas edições do Angola Fashion Week, organizadas sob nossa gestão mostraram todo o potencial de crescimento que este evento encerra tanto em Angola como no exterior do País. Mantivemos o conceito de base do Angola Fashion Week: proporcionar um espaço para os estilistas nacionais e internacionais apresentarem anualmente as  suas melhores colecções. Mas para corresponder às exigentes expectativas das angolanas e dos angolanos em matéria de moda de alta qualidade, pretendemos inserir cada vez mais estilistas de renome mundial para simultâneamente valorizar as nossas criações e dá-las a conhecer ao Mundo.

M.F.: Existe um interesse crescente por parte da uma franja da sociedade angolana para o mercado da moda. O AFW e um evento cada vez mais concorrido, tendo uma visibilidade crescente inclusive no Continente Africano. Que motivações e directrizes movem a realização do Angola Fashion Week?

E.M.: A preocupação dos angolanos com o estar bem apresentado na sociedade é transversal a todos os grupos étnicos no nosso País e constitui a principal motivação do Angola Fashion Week.  Pretendemos restaurar esta tradição do nosso Povo e servir de fonte de inspiração no mundo da moda.

Os concursos de beleza também contribuíram, de certa forma, para ressaltar o papel da moda e do bem vestir na sociedade angolana. Em 1988 Angola obtém pela primeira vez uma qualificação nos quatro primeiros lugares do Concurso Miss Universo e isso fez com que as angolanas se preocupassem ainda mais com a beleza pois esta começava a ganhar cada vez mais destaque a nível internacional.

M.F.: E surge um nicho de mercado..

E.M.: O trabalho de estilista rapidamente ganhou adesão e popularidade entre o grande público e pessoas como  Elizabeth Santos, Yana Vandúnem, Lisete Pote, Tina Souvenir, Rui Santos, Lucrécia Moreira,  entre outros começaram a afirmar-se como figuras públicas com muita força entre o público e influenciadoras da opinião pública. Hoje são nomes de igual força como os de Nadir Tati, Shunnoz e Tekassala, Mia mendes, Jurema Ramos, Lloyd Vasconcelos, Miriam Abreu, Hindical Barbosa, Alex Kangala, Hava, Atelier Wiltic, Alexa Tomás, Soraya da Piedade, etc.

M.F.: Os nomes mais recentes também têm contribuído para colocar Angola no mapa internacional. Associado ao patrocínio de algumas empresas nacionais, este é um momento único e interessante para impulsionar o AFW e marcar uma identidade diferenciadora neste evento.

E.M.: Sem dúvida. Além de tudo isso, outro factor que resultou como motivação foi o inquestionável potencial que Angola tem para se tornar num dos principais mercados de moda em África. A beleza dos modelos angolanos, tendo merecido atá já o título de Miss Universo a Leila Lopes e nomes que fazem sucesso na arena internacional como os de Roberta Narciso, Fredy Costa ( o primeiro Homem Africano a ser escolhido para ser o rosto da Martini), Sharam Diniz ( uma das poucas africanas a desfilar pela Vistoria Secrets), Maria Borges ( primeira modelo negra a desfilar pela Dior) Lisandra Francisco, Karina Silva, Adelina Cachimano, Ludvania Almeida e Emma Diogo.

Muito outros começam a trilhar já carreiras de grande sucesso. E tudo isto faz-nos ver o incrível potencial de Angola, este belo País e de suas belezas únicas de traços raros e sem igual.

M.F.: Associado a este bom momento dos modelos angolanos a nível internacional, temos uma franja social nacional que gosta e compra moda. 

E.M.: Aliado a este enorme talento e beleza que falava, está a capacidade de compra do mercado angolano e dos Angolanos.  Angola é uma potência a nível económico e os angolanos são apaixonados por moda. Então sem sombra de dúvida gastam muito para se manter bonitos elegantes e apresentáveis. Logo, este é um  mercado que pode render milhões se fôr bem valorizado e conduzido. E é precisamente isto que o Angola Fashion Week tem feito há pouco mais de uma década. Acrescentar valor ao mercado da moda em Angola e aos talentos angolanos que trabalham nesta indústria.

O mercado interno é promissor com novos nomes que se descobrem ano após ano. A nossa ambição é alcançar num futuro próximo o título de Melhor Fashion Week em África em termos de oportunidades, visibilidade e crescimento. Todos os dados apontam nesta direcção. A visibilidade internacional e a valorização extrema que o evento ganhou a nível nacional em apenas 2 anos são a maior prova disso.

M.F.: A África Têxtil, a Satec, a Textang e a Maurembi têm projectos promissores a nível do investimento na Indústria Têxtil em Angola. Sabemos que existem dificultades a nível de infraestruturas eléctricas para resolver, no entanto esta motivação empresarial existe. Neste sentido, qual a comunicação que a AFW tem vindo a efectuar com estas empresas que pretendem investir na área têxtil em Angola?

E.M.: O universo da moda compreende e dinamiza uma série de actividades a montante e a jusante. Logo que a Indústria Têxtil em Angola retome as suas producções, assistiremos, com certeza ao aparecimento no mercado de matéria-prima em qualidade e quantidade suficiente para incentivar as  criações da passarela, as actividades de costureiras, estilistas, modelos etc. Com mais tecidos, materiais e recursos, os criadores nacionais poderão fazer muito mais a um custo bem mais baixo, dinamizando o comércio e o mercado local.

A ambição do AFW é num futuro próximo é promover o diálogo com as principais indústrias têxteis do país, para se identificar áreas de trabalho comum, para se projectar uma indústria de moda genuinamente angolana. Sabemos que é um objectivo de médio prazo, mas as perspectivas são boas, tendo em conta os projectos existentes de recuparação das principais Indústrias Têxteis.

M.F.: Existem parcerias com Escolas de Moda nacionais? A que nível?

E.M.: As parcerias com Escolas de Moda nacionais e internacionais também já estão a decorrer e todos os anos desde que passamos a organizar o evento. Temos expandido a actividade de  profissionais da área de maquilhagem, cabeleireiros, modelos, estilistas vindos de diversas partes do Mundo que dão aos profissionais locais uma oportunidade única de intercâmbio valorizando ainda mais o mercado angolano e fazendo com que os angolanos sejam capacitados e aperfeiçoem as suas técnicas, dons e estratégias, faz ainda com que ganhem contactos e desenvolvam o seu trabalho contribuindo para um futuro melhor da Moda Nacional.

M.F.: Qual é o prémio que o AFW atribui ao estilista vencedor na categoria “Novo Talento”?

E.M.: Todos os premios instituidos pelo AFW são pecuniários. O valor de cada prémio está muito dependente das negociações que ocorrem cada ano com os patrocinadores de cada edição. Mas a intenção do AFW é reconhecer cada vez mais os novos talentos e sinalizar aos potenciais criadores de moda que também eles podem ter a sua oportunidade.

M.F.: Existe algum protocolo com a AFW e o Ministério de Comércio Angolano para promover todos estes estilistas, apoiando monetariamente novos projectos? Seria uma mais valia a nível da promoção destas micro-empresas, quer a nível nacional, quer a nível do Continente Africano, possibilitando a presença dos novos criadores em showrooms internacionais, que funcionam como cartão de visita para estes e respectivas colecções. Contacto com potenciais distribuidores, imprensa internacional..?

E.M.: O apoio institucional aos estilistas angolanos ainda é débil. A iniciativa do AFW tem sido bem recebida junto dos organismos oficiais angolanos! Na agenda do AFW está o reforço do diálogo com as Instituições angolanas relevantes, com o objectivo de serem criados incentivos para os criadores de moda, tendo em conta o impacto que esta actividade tem já hoje em diferentes segmentos da sociedade.

M.F.: Quantas pessoas involucra a actual realização do AFW aproximadamente?

E.M.: Na montagem duma edição do AFW trabalham sensivelmente 40 pessoas entre organizadores do evento, publicistas, criadores de cenários, maquilhadores, protocolo, seguranca etc.. A nível da produção, temos contado com a colaboração do produtor Hadjalmar El Vaim, que apesar da sua tenra idade, tem já um currículum invejável a nível da producção de eventos.

A próxima edição do AFW 2014 terá lugar sensivelmente na mesma altura deste ano – final de Junho. O tema da próxima edição será divulgado em Outubro e até lá o corpo directivo do AFW seguirá com o brainstorming necessário para ultimar a tónica do evento do próximo ano.

A Rossio Mag agradece a disponibilidade de Emilia Morais em conceder-nos esta entrevista, assim como à Maktub Editora Comunicação e Carlos Pessuto pelas fotografias cedidas para esta publicação.

Desfile completo do Angola Fashion Week 2013 disponível aqui.

Entrevista por Maria Falé

4 comments

  1. Boa noite Taibo, dizer que sou uma das fãs de roupa feita de capulana. Só quero desejar-te muitos parabéns e que continue a ser o estilista que és. Sempre sonhei em ser modelo, desfilar na passarela, mas por falta de condições nao sou.

  2. Maria Peyroteo

    Obrigada querida prima Mila de Morais, amei a tua entrevista e já tinha visto o desfile. Tudo muito bem organizado, estás de parabéns bem como os teus colaboradores. Angola precisa de pessoas como tu.
    Beijinhos e muitos sucessos.
    Maria Peyroteo

Deixar uma resposta / Leave a comment

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: